Escrevendo sobre…

(Para Fátima Péres e Paulo Rezende)

Meu amigo José Arthur é um apaixonado por poesia. E das mais belas palavras que nosso idioma conhece. É um homem que cuida bem do que fala, quase que escolhe versos para dividir com os amigos. Amigos que também são escolhidos pela sensibilidade. Ele não gosta de desperdiçar sentimentos. Homem que deixa lágrima brotar nos olhos claros, se preciso for. Não tem medo das dores, nem de amores. Gosta de se emocionar.

Pois o José Arthur teve uma ideia brilhante: transformar sua fazendo em um condomínio de casas para pessoas do bem. Explico: transformou todo o espaço em um grande jardim. Escolheu as plantas nativas e foi replantando por todos os cantos. O local é um doce deleite.

E, cercado de profissionais sensíveis foi fazendo do lugar, não só uma grande fazenda, mas um aconchegante espaço de arte, lazer e cultura. Explico também: cada rua chama-se alameda. E, justifica-se, pois tudo ali é arborizado e cada quarteirão de uma alameda tem, em média, dez árvores. E cada alameda e avenida já foram batizadas com um nome especial. Nomes que surpreendem pelo grau de generosidade que cada um deles representa para nós: Carlos Drummond de Andrade, Ferreira Gullar, Castro Alves, Mário Quintana, Manoel Bandeira, Cecília Meirelles, Adélia Prado… Mas tem ainda nomes como Noel Rosa, Chico Buarque, Dolores Duran, Elis Regina, Jacob do Bandolim…

Como ter ideia melhor? Sim, existe a praça principal do condomínio que recebeu o nome de Praça Maestro Tom Jobim. Ali tem muitas árvores, muitos versos que não cansamos de cantar, tem lugar para descansar na sombra, tem jabuticabas aos montes, tem local para deixar as bicicletas, tem ganchos e oito redes para balançar o corpo…

Pois aqui, hoje, tenho o privilégio de percorrer o universo desses magos das artes para escrever sobre cada um e descortinar os melhores versos para enfeitar as plantas.

Ah! Só quem conhece a alma de quem escreve sabe o quanto é arriscado machucar um coração. Mas vamos aos desafios. Impossível dizer não.

Encontro em Guimarães Rosa uma definição para o que sinto agora: “Cada pássaro que voa, cada espécie, tem voo diferente. Quero descobrir o que caracteriza o voo de cada pássaro, em cada momento”.

Malluh Praxedes 7 1 2014