Coisas da Malluh

Malluh-praxedes

Malluh, a guardiã de memórias.

A Malluh Praxedes foi uma das primeiras pessoas que se entusiasmaram com a proposta do Vitrine. Quando lemos os livros dela, ficamos ainda mais entusiasmados: opa, o negócio ainda nem estava no ar e já estava atraindo uma escritora como ela? Trocamos dezenas de e-mails. A cada um, mais certeza: o texto da Malluh é muito legal. O resultado é que ela ganhou espaço cativo, só dela, no Vitrine: “Coisas da Malluh”.

Isto aí em cima foi o texto de apresentação da nossa primeira colaboradora, oito anos atrás. Depois dele, muita coisa rolou: até um livro reunindo as crônicas dela publicadas aqui. Neste tempo, minha admiração só aumentou. Leiam as crônicas abaixo e vejam porque.

 

Meus livros de cabeceira

De filha pra mãe

Semana Santa em Ouro Preto

A amizade do Boca Livre

Alpendre e terreiro

Será?

Passeando por aí

Delicadeza, gentileza e planos

Escrevendo sobre...

Carta a Fátima Peres

Uma emoção de cada vez

Maria Creuza, Claudette Soares e Leny Andrade: Salve Rainhas!

Sobre os pais

Minha mãe franciscana e o Papa Fancisco

Os brasileiros que valorizam mais os estrangeiros

Cinco anos depois

Eu jamais vou me esquecer

A beatificação de Nhá Chica

A tal da felicidade

O dia em que o Tancredo morreu

SANTA MARIA MÃE DE DEUS

Sem medo, sem sombras: simplesmente Elis

A influência de Marco Antonio Araujo

Gal, ternamente Gal

E depois escrever

Dia do Escritor

Das viagens que fiz - última parte

Das viagens que fiz III

Das viagens que fiz II

Das viagens que fiz

Quero falar de uma coisa...

Daquilo que eu sei