A arte da persuasão em Moby Dick

A obra

Cento e sessenta anos após sua publicação, Moby-Dick permanece como um dos maiores livros da história do homem. A grande baleia branca, e a rede de vingança e obsessão tecida em volta dela por Herman Melville, tornou-se parte do imaginário das gerações. Como todo livro definitivo, merece sempre uma releitura. Este trabalho de Carlos Daghlian é um excelente motivo para iniciar de novo, ao lado de Ismael, a trágica viagem para a qual o capitão Ahab arrasta o navio e sua tripulação.
A tese de doutorado de Carlos Daghlian revela a maneira magistral com que Melville usa a arte da retórica. Não somente como forma de manter o leitor preso ao relato do marinheiro, mas na própria estrutura do romance. Nos momentos mais marcantes, o modo de se colocar a palavra exata, no instante certo e na maneira mais adequada, transforma-se em um quase personagem onipresente. Ao final deste livro – se não logo no começo – o leitor acabará sendo persuadido, sem opor resistência, a embarcar novamente no Pequod: a lente da análise literária realça os encantos da indestrutível Moby Dick.
Atros relatos fantasiosos”. Antonio Manoel é, desde 1967, professor de Literatura na UNESP. Atualmente reside em São Paulo, SP.

O autor

Carlos Daghlian (Jaú, SP, 1938) é Bacharel e Licenciado em Letras Anglo-Germânicas pela USP (1962), Master of Arts pela Pepperdine University, Los Angeles, EUA (1965), Doutor em Letras pela USP (1972), Livre-Docente (1987) e Titular (1993) pela UNESP. Presidente (1976-2004) Emérito da Associação Brasileira de Professores Universitários de Inglês (ABRAPUI).
Suas publicações incluem capítulos de livros e artigos em periódicos especializados, do Brasil e do exterior, e o livro Os Discursos Americanos de Joaquim Nabuco (Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1988).
Em 2009, tornou-se membro da Academia Rio-Pretense de Letras e Cultura e recebeu o título de Professor Emérito da UNESP.